Projeto

 Controlando a infecção, sobrevivendo à sepse

O projeto “Controlando a infecção, combatendo a sepse”, foi fruto da parceria entre a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (com recursos do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde – PROADI-SUS) e o Instituto Latino Americano de Sepse – ILAS, Associação de Medicina Intensiva Brasileira – AMIB; Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA; Ministério da Educação – MEC; Organização Pan-Americana da Saúde– OPAS e Universidade de Brasília – UNB. O ILAS foi responsável pelo gerenciamento da coleta de dados, sistema disponível no www.ilasonlinems.org.br.

Teve como objetivo a redução das taxas de mortalidade em consequência da sepse grave por meio de capacitação dos profissionais da rede de Hospitais Universitários e de Ensino Certificados, hospitais Federais, hospitais participantes do Programa SOS, Emergências e Rede Sentinela, que dispõe de UTI adulto. O método proposto consistiu na capacitação dos profissionais para implantação e implementação de medidas baseadas em evidências para o diagnóstico e tratamento da sepse nos estabelecimentos de saúde. Estes estabelecimentos de saúde representaram todos os Estados do país e o Distrito Federal.

Objetivo

Capacitar os profissionais dos hospitais que dispõe de UTI adulto para reconhecimento precoce da sepse grave nos pacientes adultos, internados nas unidades de urgência e de terapia intensiva, a fim de reduzir as taxas de mortalidade.

Vigência

O projeto teve vigência de 03 anos (2012 – 2014).

Público alvo

Profissionais de hospitais pré-selecionados, com os seguintes perfis:

  1.  Hospitais de ensino certificados, de acordo com a Portaria Interministerial MEC/MS nº. 2.400, de 02 de outubro de 2007;
  2.  Hospitais Públicos Federais do Ministério da Saúde;
  3.  Hospitais integrantes do SOS Emergência;
  4.  Hospitais integrantes da rede sentinela da ANVISA, onde não houver hospitais de ensino certificados.

Etapas

O projeto se dividiu em (02) duas etapas:

1ª Etapa:

Capacitação dos responsáveis pela execução do projeto nos hospitais participantes do projeto.

2ª Etapa:

  1. a Liberação do e-learning para os enfermeiros e médicos dos hospitais participantes.
  2. b Realização de Cursos presenciais com a participação de (04) quatro membros da comissão responsável pela execução do projeto, nos hospitais participantes.
  3. c Distribuição de material didático e informativo.
  4. d Implementação de protocolo gerenciado para o tratamento da sepse grave e choque séptico;
  5. Coleta de dados para a mensuração da aderência ao protocolo gerenciado e monitoração da taxa de mortalidade por sepse grave.

 

Eventos

Nenhum evento disponível no momento.

Educação continuada

Nenhum curso disponível no momento.